Há quatro elementos clássicos na natureza: Terra, Vento, Fogo e Água. O quinto elemento é a energia.

Considere que os músculos representam o elemento água, porque eles são na sua maioria compostos de água. Os impulsos elétricos de condução nervosa representam fogo.

Este fundamento científico é o primeiro de uma série de quatro partes sobre a combinação da neurofisiologia e o Yoga.  Esta série explica os reflexos medulares e como eles se aplicam ao Yoga  .Estes arcos reflexos envolvem o fuso muscular, o órgão tendinoso de Golgi, inibição recíproca e recrutamento muscular. Depois de entender esses reflexos, você pode aplicá-los individualmente ou em combinação em suas posturas. Está abordagem sistemática juntando a neurofisiologia, biomecânica e Yoga  é chamado por Ray Long de “O Bandha Yoga Codex” .

Neste primeiro fundamento, vamos explorar a camada elástica do músculo e como usá-lo para aprofundar as posturas.

Picture1

O fuso muscular é um receptor sensorial que está localizado no “ventre” de todos os músculos esqueléticos. Ele detecta mudanças no comprimento e tensão dentro do músculo. Basicamente, quando o músculo alonga, o fuso muscular envia um sinal para a medula espinal, que então sinaliza para o músculo contrair e resistir ao alongamento. Isso protege o músculo o rompimento e é conhecido como arco reflexo da medula espinal.

O fuso muscular é uma das razões pelas quais limitamos a força numa postura . Forçar o alongamento intensifica o disparo do fuso muscular, fazendo que o músculo se contraia. Este mecanismo pode bloquear aprofundamento do alongamento. Nunca force a si mesmo em um postura, mas sim “dissolva” os bloqueios lentamente trabalhando com os arcos reflexos medulares.

O reflexo da medula espinal do fuso muscular.

Observe as vesículas sinápticas que transportam neurotransmissores do nervo sensorial do fuso muscular ao nervo motor que sinaliza a contração do músculo.

Picture2Tudo isto acontece no nível da medula espinal, sem nossa consciência. Este é um reflexo “primitivo”, que ocorre em resposta a um evento biomecânico, o alongamento de um músculo.

As imagens a seguir usam Uttanasana para descrever uma técnica para “tranquilizar” o fuso muscular  cuidadosamente no alongamento durante a prática.

Vamos começar olhando para Uttanasana.

Cuidadosamente dobre para a frente até que você sinta um alongamento moderado. Os fusos musculares dos isquiotibiais e paraespinhais disparam em resposta a este alongamento e enviam um sinal para a medula espinhal. Esta é a primeira parte do arco reflexo. A segunda parte é o sinal de saída da medula espinhal até o músculo. Isso envolve o nervo motor e estimula o músculo a contrair. Esta contração dos isquiotibiais e eretores da coluna é parte do que pode evitar o aprofundamento da postura.

Alongamento dos Isquiotibiais em Uttanasana.Picture3

Aqui, o mesmo arco reflexo entra em ação para os músculos eretores da coluna. Os sinais do fuso muscular que o eretoresda coluna estão em alongamento e a medula espinhal sinaliza a sua contração.

Eretores da Espinha em Alongamento no Uttanasana.picture4

“Dissolva” a contração de reflexo dos músculos alongados relaxando um pouco o alongamento. Isso diminui o disparo dos receptores de estiramento do músculo do fuso.

Você pode fazer isso com os isquiotibiais (parte posterior da coxa) ligeiramente dobrando os joelhos. Segure esta alongamento mais suave s por algumas respirações.

Relaxar os isquiotibiais na Uttanasana.

picture5

Uma vez que os fuso musculares acostumam com o alongamento mais suave, ative os quadríceps para endireitar os joelhos e aprofundar a postura. Envolvendo os quadríceps inibe a contração reflexa dos isquiotibiais causadas pelo fuso muscular.

Pode parecer contra-intuitivo, mas pode-se realmente aprofundar um alongamento recuando na primeira vez.

Ativando os quadríceps para alongar os isquiotibiais na Uttanasana.hams_quads_utt

Tal como acontece com os isquiotibiais, você pode dissolver a contração reflexa do eretor da espinha relaxando o alongamento. Isso diminui o disparo dos receptores de estiramento do músculo do fuso.

Faça isso para o eretores da coluna, levantando as costas ligeiramente a partir dos quadris. Segure esta posição suave  por algumas respirações.

Relaxando os eretores da Coluna em Uttanasana.

spinae_back_upUma vez que os fuso musculares paraespinhal acostumam com o alongamento mais suave   , contraia os psoas e reto abdominais para flexionar o quadril e tronco e aprofundar a sua postura. Envolver os psoas inibe a contração reflexa do eretor da espinha.

Ativação do psoas para esticar o eretor da espinha em Uttanasana.
 psoas_spinae_utt
Dicas práticas:

1) Sempre construir a contração de um músculo com cuidado e lentamente. Isso ajuda a minimizar o risco de lesões e dor.

2) Somente contraia psoas com aproximadamente 20% de sua força máxima.

3) Despertar o músculo é feito contrado o mesmo. Balanceie a ativação do músculo alongando no final de sua prática.

4) Dê tempo suficiente para recuperação entre as sessões de treino.

5) Sempre pratique sob a orientação de um professor experiente.

6) Sempre, em caso específico, consulte o seu médico antes de fazer yoga ou qualquer programa de exercícios.

Se você é novo para a integração anatomia em sua prática, lembre-se de que não é necessário memorizar esta técnica em sua primeira passagem. Comece por apreciar as belas imagens do corpo em yoga. Isto só vai despertar a consciência do seu cérebro da anatomia durante a sua prática. Volte em outra oportunidade com um olhar mais atento, e então suavemente percorrer as propostas ilustradas acima . Sua mente inconsciente vai criar novo circuito enquanto você descansa. Aproveite este processo, e quando você voltar para o tapete, você vai se surpreender com a facilidade com que você acessar esta técnica.

Dê uma olhada nos livros da Bandha Yoga em português na página da Traço Editora para aprender mais como combinar a ciência ocidental com a arte do Yoga…
Namastê

 

Um comentário

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>