Projeto YOGA NOS ANDES COM MELISSA AMITA – Parte 1
Info: http://boa-yoga.com/yoga-nos-andes-peruanos/

A cidade de Cusco está localizada a aproximadamente 3400 metros acima do nível do mar. Adaptar-se à altitude é sem dúvida um dos maiores desafios que um viajante pode encontrar quando visita os Andes.

mountain and horses

O mal da altitude, também conhecido como soroche, é um conjunto de sintomas que se manifestam quando uma pessoa ascende a um local de altitude eleveda. Esses sintomas podem ser amenos e desaparecer em alguns dias ou mais severos, podendo causar vários desconfortos durante sua viagem.

Mas por quê o corpo reage tão negativamente à altitude? À medida que a altitude aumenta, a pressão barométrica do ar diminui, reduzindo os níveis de oxigênio no ar. Essa é a principal causa do soroche, mas os elementos que desencadeiam os sintomas ainda não são claros. Não se sabe por exemplo, porque algumas pessoas se sentem mal enquanto outras se adaptam facilmente a essa mudança.
É um tabu acreditar que somente pessoas sedentárias estejam suscetíveis ao mal da altitude, já que viajantes que possuem um excelente condicionamento físico também podem sentir os sintomas, não estando imunes ao soroche. Isso não significa que condicionamento físico não seja desejado ou necessário, apenas deve-se levar em consideração que estando em forma ou não, qualquer indivíduo que viaja a locais de altitude elevada deve respeitar os limites impostos pela altitude.

Os sintomas mais comuns do soroche incluem dor de cabeça, tontura, falta de energia e apetite, enjoo, fraqueza e insônia. Os sintomas se manifestam nas primeiras 4 – 12 horas e persistem por um ou dois dias. Em casos mais sérios, os sintomas se agravam e as dores de cabeça são mais intensas, acompanhadas de vômitos, exaustão e falta de ar. Caso os sintomas piorem e/ou persistam por mais de dois dias, é necessário buscar atenção médica e se possível descender a uma região de menor altitude imediatamente.
Os cuidados para amenizar e prevenir o mal da altitude nos Andes incluem repouso durante as primeiras 12 horas após a chegada, além da ingestão de líquidos, já que a desidratação aumenta os riscos de agravamento dos sintomas. Água em temperatura ambiente, infusões e chá-de-coca são eficientes no controle de sintomas. O chá-de-coca é usado extensivamente no tratamento dos sintomas relacionados ao soroche, e apesar do forte sabor e aroma, deve fazer parte das medidas de prevenção e controle de qualquer viajante. O chá-de-coca não tem efeito psicoativo. Beba-o despreocupadamente.

coca tea

Existem também medicamentos que prometem auxiliar o processo de aclimatação. No Brasil eles podem ser adquiridos com prescrição médica mas no Peru são vendidos em farmácias sem prescrição. O principio ativo desses comprimidos é a acetazolamida, mas aconselha-se o uso sob orientação médica.

Para finalizar, monitorar uns aos outros é fundamental. Caso esteja viajando com um amigo, família ou grupo de pessoas, mantenha-se sempre alerta aos sintomas e comportamento dos seus companheiros de viagem. É importante cuidar uns aos outros, estar atento e não ignorar queixas e reclamações. O repouso é importante, no entanto pequenas e leves caminhadas são recomendadas. Mantenha seu guia ou tour leader a par de qualquer sintoma ou mal estar e caso persistam, procure assistência médica.

SEMPRE respeite seus limites e NUNCA, em hipótese alguma, coloque seu corpo em situação de estresse e esforço desnecessários. Pegue leve, não force a barra, escute o seu corpo e boa viagem!

E você, já sofreu do mal da altitude? Como foi a sua experiência? Quais são as suas recomendações?

Vanise Januario

http://boa-yoga.com/yoga-nos-andes-peruanos/

Comments