A Série Despertar dos Psoas sinergicamente combina a posturas em pé para despertar o músculo psoas. Conseguimos isso primeiramente com contratação do psoas em asanas com o rosto para frente, em seguida, em asanas com o rosto para o lado. E completamos com a série de asanas com torção.
Lembrando que este músculo é geralmente “escondido” na parte inconsciente do cérebro, devemos primeiro isolar o psoas em cada asana, trazendo-o de volta à consciência.
Eu uso a técnica de contração isométrica para isolar e despertar um músculo dormente. Esta técnica requer uma compreensão da ação de vários músculos. Por exemplo, o psoas age para flexionar o quadril, ou seja, a contratação do psoas tanto curva o tronco para frente ou projeta o joelho para cima. Isole os psoas, tentando flexionar o tronco ou tentando levantar a perna.Acentue adicionado resistência a ação. Para entender melhor a instrução, olhe para o diagrama de Trikonasana abaixo.
Lembre-se que Hatha Yoga combina oposto, sol e da lua ou yin e yang. Com em mente, equilibre contratação dos psoas por esticá-los.Finalmente, a experiência “Discernimento do Corpo.” Isso se refere à capacidade do corpo de despertar para antecipar uma ação e usar os músculos mais eficientes para realizá-lo sem pensar nisso. A Série Despertar dos Psoas sequencialmente ativa diferentes partes do psoas -incrementalmente e sinergicamente. Quando o cérebro vê uma combinação consciente de ações como essa, ele irá usar automaticamente o psoas em ações não relacionadas. Isto é análogo ao subir escadas. Os primeiros passos são tomados de forma consciente, mas uma vez que se começa, subimos inconscientemente (e ritmicamente). O ato de digitar em um teclado é outro exemplo disso.
Dito de outra forma, uma vez que despertado o músculo psoas, começamos a usá-lo inconscientemente em novas tarefas.
Eu demonstro esse fenômeno em minhas oficinas, terminando a Série Despertar dos Psoas com uma inversão completa dos braços. Alunos regularmente relatam uma sensação de estabilidade como uma rocha no asana. Isto vem do cérebro inconsciente ativando automaticamente os psoas recém-despertos e estabilizando a pelve. Experimente isso sozinho, praticando um asana não relacionado no final da série.

1) Comece com

Tadasana & Psoas detalhado

Tadasana & Psoas detalhado

, a Pose da montanha. Retorne a este asana entre os lados alternados do corpo na Série Despertar dos Psoas.

2Trikonasana: Comece com o joelho da frente levemente dobrados. Isso libera os isquiotibiais em sua origem na tuberosidade isquiática, permitindo que os psoas contraiam livremente. Agora, coloque o cotovelo na coxa da frente e pressione para baixo com o tronco, tentando flexionar-lo. Esta ação contraiam  isometricamente  psoas.
Como alternativa, mantenha a perna para baixo com o cotovelo e tente levantar a perna. Isso simula a flexão do quadril e também contração dos psoas. Mantenha o tronco em uma posição de flexão e endireite o joelho através da contração dos quadríceps. Esta sequência geral será repetida para cada asana em toda a série. Retorne para o Tadasana entre os lados alternados do corpo  para dar  um descanso.

Trikonasana preparação 1

Trikonasana preparação 1

Trikonasana preparação 2

Trikonasana preparação 2

Trikonasana

Trikonasana

 4) Virabhadrasana II: Mais uma vez colocar o cotovelo no joelho e contrato isometricamente os psoas, tentando flexionar o tronco ou levantar a perna.

5) Utthita Parsvakonasana

Utthita Parsvakonasana preparação

Utthita Parsvakonasana

Utthita Parsvakonasana

6) Parsvottanasana: Comece dobrando o joelho da frente, como com Trikonasana. Agora, pressione o tronco contra a coxa. Isso ativa os psoas no plano lateral.

Parsvottonasana preparação 1

Parsvottonasana preparação 1

Parsvottonasana

Parsvottonasana

7) Virabhadrasana I: Tente levantar a perna da frente neste asana, mas na verdade, não levante. Você deve se sentir inferior a pélvis com essa ação, mais uma vez através da contratação do psoas (também no plano lado).

Virabhadrasana I

Virabhadrasana I

8) Parivrtta Trikonasana: Esta postura trabalha psoas no plano de rotação. Tal como acontece com Parsvottanasana, dobre o joelho da frente para liberar os tendões. Em seguida, apertar o tronco contra a coxa. Mantenha o tronco nesta posição e endireitar o joelho.

Parivrtta Trikonasana preparação

Parivrtta Trikonasana preparação

Parivrtta Trikonasana

Parivrtta Trikonasana

10) Parivrtta Parsvakonasana: Comece em uma torção, com o joelho de traz no chão. Coloque o cotovelo de volta sobre o joelho da frente para girar o corpo. Tal como acontece com Parivrtta Trikonasana, apertar suavemente o tronco contra a coxa da frente. Isso contraí isometricamente psoas.

Parivrtta Parsvakonasana preparação

Parivrtta Parsvakonasana preparação

Parivrtta Parsvakonasana

Parivrtta Parsvakonasana

11) Prasarita Padottanasana: Aqui voltamos ao plano frontal. Dobre os joelhos para liberar os tendões, incline-se para a frente. Contraia os psoas para flexionar os quadris. Você deve achar que pode acessar conscientemente o psoas neste momento na série. Segurando o tronco flexionado, envolva os quadríceps para endireitar os joelhos.

Prasarita Padottanasana preparação

Prasarita Padottanasana preparação

Prasarita Padottanasana

Prasarita Padottanasana

12) Alongamento

picture 16

13) Agora tente uma postura não relacionada que você tem experiência . Eu utilizarei Purvottanasana . Observe como o psoas engata automaticamente agora que é despertado, estabilizando a pose. Esta é a “discernimento do Corpo”.

Purvottanasana preparação

Purvottanasana preparação

Purvottanasana

Purvottanasana

14) Setu Bandha com suporte: Termine com um alongamento passivo do psoas pela colocação de um bloco ou reforçar sob o sacro. Feche os olhos e relaxe por alguns minutos. Por favor, note que se você sentir dores nas costas nesta postura, não fazer. Verifique modificações com o seu professor.

Setu Bandha com suporte

Setu Bandha com suporte

15) Savasana: Relaxe em Savasana

Dicas práticas:

1) Sempre construir a contração de um músculo com cuidado e lentamente. Isso ajuda a minimizar o risco de lesões e dor.

2) Somente contraia psoas com aproximadamente 20% de sua força máxima.

3) Despertar o músculo é feito contrado o mesmo. Balanceie a ativação do músculo alongando no final de sua prática.

4) Dê tempo suficiente para recuperação entre as sessões de treino.

5) Sempre pratique sob a orientação de um professor experiente.

6) Sempre, em caso específico, consulte o seu médico antes de fazer yoga ou qualquer programa de exercícios.

Se você é novo para a integração anatomia em sua prática, lembre-se de que não é necessário memorizar esta técnica em sua primeira passagem. Comece por apreciar as belas imagens do corpo em yoga. Isto só vai despertar a consciência do seu cérebro da anatomia durante a sua prática. Volte em outra oportunidade com um olhar mais atento, e então suavemente percorrer as propostas ilustradas acima . Sua mente inconsciente vai criar novo circuito enquanto você descansa. Aproveite este processo, e quando você voltar para o tapete, você vai se surpreender com a facilidade com que você acessar esta técnica.

Dê uma olhada nos livros da Bandha Yoga em português na página da Traço Editora para aprender mais como combinar a ciência ocidental com a arte do Yoga…
Namastê
Bandha Yoga & Traços Editora

 

6 comments

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>