No artigo anterior a respeito do assunto da Dor,  conclui que quem cria a dor é o Cérebro não o tecido danificado mas qual é o critério para a criação da Dor utilizado pelo cérebro?

Antes era fato que a dor era causada por lesão no tecido,  problemas estruturais mas que hoje se mostra que o cérebro não se limita apenas nesse critério expandindo sua entrada de estímulos à memórias passadas, estado emocional,  expectativas,  crenças e meio ambiente.  Todas essa informações são processadas para se obter um resultado em fração de segundos.

Problema Estrutural ?

Então,  aquela dor nas costa que muitos de nós experimentamos em algum momento de nossas vida,  pode se devido a má postura,  hérnia de disco,  baixa mobilidade na coluna ou uma cadeira imprópria mas esse são todos problemas estruturais e não levam em conta toda a perspectiva de estímulos que nosso cérebro utiliza para processar e concluir se existe dor ou não.

Questionar essa maneira de pensar é simples, quando mudamos o ambiente o evento, a dor pode desaparece. Quando nosso cérebro percebe uma situação de perigo, ele pondera e reavalia os sinais e interpreta onde antes era uma dor grande, agora é uma dor suportável.

Movimentos Inapropriados

Também criamos um mito que alguns movimentos são inapropriados como flexão da pelve, posição do pescoço quando ficamos no celular e que esses movimentos irão causar danos e dor. Esquecemos da capacidade de adaptação do nosso corpo e que sem excesso, tudo pode ser adaptado ou seja todo movimento é bom do ponto que o tecido esteja adaptado.

O que conhecemos sobre a dor influência diretamente no voltagem que nosso cérebro sintoniza para mandar estímulos por todo nosso corpo, alem do nosso estado de espirito, lugar e memoria. Limpar a mente é tão essencial quanto melhor o estilo de vida para diminuir as dores crônicas.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>