Kapalabhati. Aqui está uma técnica simples, mas que traz muita confusão para os praticantes de Yoga.

Kapalabhati e Bhastrika são técnicas muito parecidas, mas com objetivos totalmente diferentes.
Kapalabhati é um Shatkarma, segundo o Hatha Yoga Pradipka e o Gheranda Samhita  (os dois principais textos estudados pelos yoguis e que descrevem o Hathayoga) , e o seu principal objetivo é a limpeza das vias aéreas superiores.
Quando o Kapalabhati é associado à outra pratica respiratória que inclui retenção de ar, passa fazer parte de um pranayama.
Bastrika é um pranayama, e também é conhecida como a respiração do sopro rápido/ fole.

O que é Shatkarma? Shatkarma são técnicas destinadas a limpeza e purificação das mucosas do nosso corpo.
O que é Pranayama? Pranayama são técnicas que nos preparam para o kumbhaka (o não respirar).
Então qual a diferença?
Somente na prática vamos conseguir entender:

Kapalabhati significa crânio brilhante, pois é esta a sensação que nos traz após a sua pratica.

Sente-se numa posição ereta. Não importa se na cadeira ou no chão com as pernas cruzadas. O importante é manter a coluna alinhada, assim como a caixa torácica. Faça uma inspiração e ao exalar, expulse lentamente todo o ar do pulmão contraindo o abdômen simultaneamente para ajudar o pulmão esvaziar completamente.  Inspire novamente de forma lenta, fazendo o ar completar os 3 estágios da respiração:  abdômen, pulmão e costelas, e sem pausas, expulse o ar de uma só vez contraindo com força a região abdominal, provocando assim um forte som pelas narinas ao exalar.

Kapalabhati: Pranayama ou Shatkarma?

A glote deve permanecer aberta para evitar atritos desagradáveis com a passagem do ar. A ação da expulsão do ar está relacionada com força que o abdômen é acionado. A força não é nas narinas ou no pulmão. Descontraia o abdômen e passe a inspirar novamente de forma lenta e completa, e expire vigorosamente o ar da mesma maneira, não esquecendo de que a ação está no abdômen, e não no pulmão ou nas narinas.
Não force a inspiração, ela ira ocorrer naturalmente, mas lembre-se que a exalação deve ser ativa.

Inicialmente, faça um ciclo de 10 respirações. E com a prática constante aumente para mais 10 ciclos. Mas nunca o faça excessivamente. Essa técnica quando feita incorretamente pode produzir tonturas.

Podemos efetuar o Kapalabathi pela amanhã, de preferência após efetuar a limpeza das narinas com o JalaNeti, também conhecido como Lota.

Kapalabhati: Pranayama ou Shatkarma?

 Podemos equivocadamente pensar que o Kapalabhati  traz maior oxigenação ao cérebro. Mas não é verdade. A sua execução correta leva o sangue à alcalose (aumento do pH), associada à redução da concentração sanguínea de CO2 (gás carbônico), sem alterações significativas da concentração de O2 (oxigênio). Como conseqüência disto, após sua execução demora mais tempo para a pessoa sentir vontade de respirar, pois o principal fator metabólico que estimula os centros respiratórios no bulbo é exatamente a elevação da concentração sanguínea de CO2.

Não há qualquer impedimento para que hipertensos o façam, porém é preciso ter certeza de que a técnica está correta, com a contração do abdômen na expiração e seu relaxamento na inspiração, e lembrando que em todos os casos, a supervisão de um instrutor de yoga é de extrema importância..

Já, o Bhastrika, segundo o Hatha Yoga Pradipka e o Gheranda Samhita, é a combinação do Kapalabhati com outras técnicas que incluem inspirações, contenções e expirações de forma ativa. O sábio que realizar este pranayama como explicados nos textos “ nunca padecerá de enfermidades e estará sempre saudável ”. É  importante ressaltar que para o Bhastrika, por ser uma técnica mais profunda, o acompanhamento de um professor é essencial para os iniciantes, por este motivo não vou explicá-la a fundo, por ora.

Com a técnica correta, o Kaphalabati traz inúmeros benefícios:

-Aumento da capacidade vital e da capacidade de retenção da respiração
-Desobstrução nasofaringeana, auxiliando em casos como rinites e obstrução nasal
-Melhora da capacidade expiratória, com melhores condições de prevenir e controlar sintomas de doenças respiratórias obstrutivas como asma e bronquite
-Redução de freqüência respiratória e da circulação periférica após sua execução
-Melhora de resitencia cardiovascular com sua pratica regular
-Aumento da circulação e estimulação mecânica dos órgãos abdominais, elhorando as funções digestivas
-Melhora do esvaziamento da bexiga urinaria, prevenindo problemas como cistites
– Condicionamento da musculatura abdominal

Todos este efeitos são importantes, mas deve-se lembrar que o Yoga não é uma prática isolada, e suas técnicas de krya devem ser feitas em conjunto com asanas e pranayamas e com regularidade. Todos estes passos nos levam a melhores estágios meditativos, e que nos conectam com nossa essência.

Om Shanti _/_

Melissa Amita

*Agradecimento especial ao Prof. Gerson D’Addio da Silva pelos seus ensinamentos.

RECEBA BOA YOGA POR E-MAIL

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>