“Conhecimento incorreto tomado por conhecimento incorreto
bloqueia a entrada de conhecimento correto.”

(provérbio indiano)

 As dúvidas que vemos a respeito da prática de yoga se devem ao fato de muitas pessoas pensarem que são muitas as nomenclaturas dadas a diferentes formas de praticar a disciplina do yoga.

Entretanto, é importante notar que kriyā-yoga e aṣṭāṅga-yoga não são dois tipos diferentes de yoga. São duas categorias diferentes: kriyā-yoga é um componente (membro) externo (bahiraṅga sadhana) do aṣṭāṅga-yoga, este último objeto dos Yoga Sūtras. Kriyā-yoga (yoga da ação) compreende tapas, svādhyāya e Īśvara praṇidhāna (II.1). Aṣṭāṅga yoga (oito membros do yoga) compreende yama, nyama, āsana, prāṇāyama, pratyāhāra, dhāranā, dhyāna e samādhi (II.29).

É importante esclarecer que há apenas dois caminhos do yoga: jñāna-yoga e karma-yoga, e que isto está muito claro no Bhagavad Gītā quando Kṛṣṇa fala sobre karma-yoga e jñāna-yoga no capítulo 11.kriyā-yoga e bhakti-yoga são técnicas para alcançar o estado de yoga que devem ser utilizados tanto por quem segue o caminho de jñāna-yoga, quanto por quem segue o caminho de karma-yoga.

O ponto nodal do Yoga Sūtras é “vṛtti – saṁskāra cakra”, isto é, o ciclo vicioso pensamento↔impressão latente cuja problemática reside em não estarmos aptos a pensar o que queremos, agirmos sem reflexão, de modo reativo, tomados pelo fluxo dos pensamentos que rolam na mente sem parar, sua repetição gerando as impressões latentes.

De fato, para permanecermos felizes e em paz necessitamos da habilidade de manter os pensamentos escolhidos por nossa vontade (samāhita citta: samā = significa muito bem + ahita= significa muito bem enraizado), tornando-nos tão bem enraizados em nossas mentes que o pensamento difícil, pesado, não possa entrar. A mente deve permanecer neste estado a fim de alcançar o estado de samādhi.

O segundo pāda sugere práticas para acalmar esta vyutthita citta (mente oscilante). O capítulo se chama sadhāna pāda exatamente porque fala da prática para tornar essa mente flutuante em uma mente calma.

Namaskār!

Marcia Neves Pinto

 

RECEBA O BOA YOGA POR E-MAIL