Começamos formar nossas opiniões com pouca idade e continuamos por toda a vida.

Nós decidimos o que pensamos ser  certo ou  errado, o que é bom  ou mau, não apenas em uma escala maior (religião, política, ética), mas também nas pequenas coisas  cotidianas.

Como as pessoas devem agir. O que as pessoas devem pensar em determinadas situações. O que não há problema em sentir e expressar  e quando é certo ou educado fazer.

Nós desenvolvemos idéias sobre como o mundo deveria ser para apoiar as nossas crenças e opiniões, coisas que aprendemos com o nosso ambiente , experiências – E  inevitavelmente exite  uma sensação de conflito interno quando uma pessoa ou situação não encaixa-se em nossa linha de pensar.

Nem sempre será. Na verdade, eles não vão muitas outras vezes.

Às vezes nossas opiniões não têm nada a ver com a verdade, a lógica  ou o senso comum. É só uma questão de  se sente bem, o que o nosso estomago  diz, porque o nosso estomago esta  sempre certo. Não é isso que nos foi dito? Para confiar em nossos instintos contra todas as probabilidades? Nós muitas vezes não paramos para considerar os nossos instintos, quando soubemos no que confiar  e o que temer.

Isso é geralmente o que lhe coloca para baixo. O que é familiar e seguro e apoia o nosso senso de ordem contra o que é desconhecido e imprevisível e nos lembra de quão pouco podemos controlar.

A realidade é que há muito pouco que possamos controlar. Não importa o quão ordenado o mundo que criamos em torno de nós é, as coisas vão acontecer às vezes que nos machucaram. Não importa qual a distância que colocamos entre nós e as pessoas que não entendem, eles vão nos afetar, direta ou indiretamente, e  provavelmente  para o pior se eles se sentirem julgadas.

Não é realista sugerir que todos nós devemos abandonar completamente o conceito de bom e ruim. Na verdade, é uma impossibilidade neurológica.

Pesquisas mostram que usamos realmente experiências conflitantes para formar juízos de valor e depois inconscientemente prever situações que podem causar-nos problemas no futuro em resposta à atividade cerebral (no córtex insular, o que ajuda a processar as emoções).

É instintivo para nos proteger. O único problema é que as vezes sentir o perigo onde não há qualquer porque estamos com medo ou não entendemos. Ao fazer isso, limitamos as nossas experiências  e nosso impacto no mundo.

Siga sua intuição e se você se sentir ameaçado  permaneça aberta à possibilidade de que há algo que você não conhece. O mundo é um lugar muito mais bonito quando você vê com olhos que querem entender.

RECEBA O BOA YOGA POR E-MAIL