Screen Shot 2014-02-21 at 9.57.46 PM

Mora na aclimação, zona central da cidade de São Paulo, uma jovem e vigorosa senhora de nome difícil e cabelo muito comprido. Aos 77 anos, ela pratica yoga e meditação, diariamente, ao amanhecer. A sequência inclui o surya namaskar, savassana e shirshassana nas cordas. Protusões lombares e cervicais e um começo de artrite nos ombros não permitem mais que o corpo sustente inversões. Os fluxos e líquidos, que permitiam a dança entre fáscias, músculos e articulações aos poucos diminuem. Somos naturais, natureza. A vida nos suga com a mesma naturalidade com que bebe a seiva de uma árvore.

A prática ocupa um pequeno e único pedaço de sua manhã. Este húngara de nome estranho e quase impronunciável, ainda escreve, todos os dias, um ou dois parágrafos sobre aquilo que considera importante no mundo. Também acompanha o neto à natação e às aulas de música. E faz o mesmo caminho – que cruza o parque – para a casa de sua prima, onde jogam cartas e bebem licores importados. Viúva desde 89, teve outros dois namorados importantes, ambos também já mortos – bebiam muito…

 O Yoga? A Prática? Fundamental, diz. 

Muito mais do que flexibilidade e gestos em curvas, a prática a permitiu simultaneidade entre corpo e mente. Algumas pessoas passam anos e anos e anos com dificuldades muito significativas de concentração e foco. Mesmo calma.  Corpos inquietos nascem de mentes ansiosas. Gestos mais suaves, precisos e silenciosos são consequência direta de um pensar obediente e disciplinado.

 

“Quando tomo banho, o pensamento restringe-se a água que escorre, o corpo que lava, e a leveza, o frescor que fica.
Quando faço a brasileira tapioca eu penso no tempo da farinha da panela, na quantidade de abacaxi cozido e nas raspinhas de limão, se sim ou não”

 

Viver não existe amanhã ou depois. Viver existe enquanto agora. E agora estou aqui. E já não sinto mais necessidade em plantar bananeira e sorrir contemplativa meu namastê. Ele está aqui. Leva suas mãos às minhas. E sorri, um sorrir tão delicado quanto o nome, húngaro – magyar, ela diz….

RECEBA O BOA YOGA POR E-MAIL