O psicólogo Barry Schwartz mira em um princípio central das sociedades ocidentais: a liberdade de escolha. Na estimativa de Schwartz, a escolha fez-nos não mais livre, mas mais paralisado, não mais feliz, mas mais insatisfeitos.