O universo possui duas energias opostas e complementares: o Ying e o Yang. O mundo material e imaterial existem porque essas cargas se fundem e se equilibram, mantendo-os vivos- um alimenta o outro, assim como noite e dia, sal e açúcar, homem e mulher, preto e branco, côncavo e convexo, centrípeto e centrífugo etc. Quando essas forças se desequilibram, há doenças, tragédias, desarmonias, traições, terremotos, maremotos, pobreza, problemas estéticos e tudo que não é nem belo nem bom.

Saúde, por este ponto de vista, é a energia interna do organismo equilibrada e em harmonia com as energias do ambiente. Alguém com muito Yang, por exemplo, será agitado; muito Yin, porém, leva a estados de desanimo. O balanço adequado de Yin e Yang, contudo, ainda não é suficiente. Entre um extremo e outro, de acordo com a Filosofia chinesa, existem cinco diferentes estados de energia, correspondentes a cinco elementos: madeira terra, metal, água e fogo.

 fiveelementsicon01Parece um jogo: a madeira alimenta o fogo; o fogo, por intermédio da cinza, forma a terra; a terra gera o metal; o metal derrete e vira água; e a água alimenta a madeira. Mas, ao mesmo tempo que um elemento produz o outro, eles também se anulam: o fogo derrete o metal e este corta a madeira; a madeira invade a terra, que represa a água; a água finalmente apaga o fogo. Para os chineses sem isso não há Medicina. Pois cada uma dessas energias, para eles, controla um dos órgãos que regem a orquestra do organismo — os rins, o baço, o fígado, os pulmões e o coração. Estes, por seu lado, governam cada qual uma série de outros órgãos.

Por isso, para a Medicina chinesa, uma doença nunca afeta uma parte do corpo isoladamente. Por exemplo: o pulmão é metal; logo, ele alimenta os rins, que são água. Isso significa que um pulmão fraco enfraquece os rins. E, como os rins controlam os ossos, estes também se prejudicam. Reumatologistas franceses constataram recentemente que pessoas que sofreram na infância de problemas pulmonares, como bronquites, costumam ter doenças nos ossos entre os 50 e 60 anos de idade.

Yin-EnergyA infecção e a inflamação, por exemplo, são excesso de energia Yang, ou seja, energia masculina que representa raiva, agressividade, violência verbal ou física, o dominador, o possessivo, o controlador e a guerra. As polaridades não devem extrapolar, devem permanecer juntas e equilibradas. Portando, toda infecção mostra que a pessoa está vivendo de forma masculina no coração e não está vivendo o yin (feminino: docilidade, meiguice, paz, amor, serenidade, flexibilidade etc) em suas atitudes.

Descubra o motivo desse desequilíbrio e reconcilie-se com você mesmo e com as outras pessoas, mesmo que elas estejam em outro plano cósmico. É importante estarmos de bem com a nossa consciência. É muito importante buscarmos técnicas de aprimoramento físico e mental como Yoga, Tai Chi Chuan, meditação, terapias com florais, terapia tântrica, entre outras, para que isso nos ajude (e avassaladoramente!) nesse processo de equilíbrio das polaridades.

Porém, é primordial buscar a causa desse problema na raiz: nos pensamentos. Muitas doenças surgem devido ao sugestionamento e associação de idéias, que essas divergências de opiniões acabam provocando nas pessoas. Quanto mais nos preocuparmos com regras alimentares, por exemplo, maior será o medo de errar e, psicologicamente, estaremos entrando num labirinto, com a expectativa de encontrarmos uma doença em cada saída.

Para reverter o processo infeccioso, mantenha em sua mente que pensamentos agressivos devem ser transformados imediatamente em amorosos e compreensivos. Suas tentativas de mudar a cabeça de alguém ou suas queixas contra o governo ou contra o comportamento da família vão destruir você. É preciso observar e deixar as coisas livres para elas serem o que são. Cada pensamento negativo está criando uma força bloqueadora dos fluidos positivos do universo. A infecção está representando a falta de ternura para com os ensinamentos da vida.

A liberdade de movimentos, a despreocupação e o equilíbrio das emoções traz ao ser humano a satisfação de viver e descobrir que seu corpo não precisa de nada para continuar a vibrar as energias já latentes. É a própria mente que destrói o que a Natureza cria com perfeição.

O corpo é o reflexo daquilo que acreditamos e não poderá existir doença se não acreditarmos nela.

Ver a doença e considerá-la realidade é o mesmo que considerar realidade a sombra do nosso próprio corpo refletida no chão. Ela está ali, mas é apenas um reflexo e não nosso corpo. Se sua sombra o incomoda, não lute contra ela. Descubra qual é o foco de luz que está sobre você e desligue-o. A sombra com certeza desaparecerá.

Se a doença persiste, descubra qual é a emoção negativa que você vem alimentando em seu coração e “desligue-a” de sua mente, que a somatização desaparecerá.

Seja qual for a doença, saiba que sua gravidade eqüivale à gravidade de seu sofrimento mental sobre o passado, sobre o presente ou preocupações relacionadas ao futuro.

Pare imediatamente de julgar e criticar os defeitos alheios, pois esta é uma falha de caráter que provoca vários distúrbios orgânicos. Faça uma força e elogie mais as pessoas… veja o positivo de cada situação, e naturalmente, e milagrosamente, a vida vai ficando leve e feliz.

Fonte: “Linguagem do Corpo Vol.3″ – Cristina Cairo

Um comentário

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>