Há dias que vamos para o tapete apenas motivados pela crença de que a prática cura as dores do nosso corpo e da nossa alma. E é normalmente nesses dias que nos debatemos com a nossa pior inimiga, a preguiça! O Guruji costumava dizer que todos podem praticar yoga, homens, mulheres, velhos, novos, flexíveis ou não, quem não pode são os preguiçosos!

A preguiça tira energia, mexe com a mente e com a alma, contorce-se dentro de nós e remete-nos para uma inércia infelizmente contagiante, brinca conosco mesmos e toma controle. Poderíamos escrever inúmeras frases que já dissemos a nós mesmos ou que ouvimos dos nossos alunos, ” hmm! está tanto frio, vou mas é ficar a dormir mais um pouco” ou, “Agora ir praticar?! Estou cansado, depois deste dia inteiro de trabalho vou-me deitar no sofá ligar a televisão e não fazer nada!”, ou ainda, ” mas hoje é domingo, o único dia que tenho para ficar a dormir até tarde!”, etc.

É realmente difícil criar disciplina e superar as manobras da preguiça, mas nada melhor que subir para o tapete, dar uma indicação à mente para seguir a respiração e começar com os surya namaskar. E mesmo que apeteça desistir a meio caminho, mesmo que apeteça saltar aquela ou a outra postura, não o faça, termine a prática e quando estiver no seu relaxamento, irá sentir no seu coração, a alegria sincera da realização.

É fácil desistir ou mesmo não fazer, mas como diz o Mr. Iyengar ,” quem quer um bom jardim,tem de o acarinhar todos os dias. No momento em que se deixa de tratar dele, ele seca. Se uma lâmina não for utilizada, enferruja. A pessoa que toca violino todos os dias, tem também de o afinar. O mesmo acontece com o corpo, a respiração e a mente. Têm de ser afinados todos os dias. De outra maneira tornam-se insensíveis.” (*)

Melhor ainda, se sentir a preguiça a chegar, diga-lhe para se sentar ao seu lado e convide-a praticar consigo.

Comments