“Aquele que mostra um alto grau de comunicação não falhará em suas ações.”
(Tradução de TKV Desikachar de Yoga Sutra II.36)

Os Sutras de Patanjali tem muita sabedoria prática que pode ser aplicada diretamente à vida. Na verdade, a evolução de uma civilização (ou a sua destruição) geralmente pode ser atribuída a satya (verdade) ou asatya (falsidade). Existe uma dinâmica semelhante para a evolução pessoal de uma pessoa.

Satya e asatya também têm benefícios práticos e consequências para o ensino e prática do Yoga, porque a verdade e a teoria andam de mãos dadas. Baseando seus ensinamentos no som (satya) e os benefícios irão automaticamente manifestar-se em sua prática. Da mesma forma, se sua teoria for baseada em falsidades (asatya) os benefícios não se manifestaram.

Satya também pode significar  “não ter nenhuma distorção.” Relativo a aulas de yoga, isso significa clareza de expressão. Ensinamentos precisos induziram a respostas previsíveis. Sugestões vagas ou distorcidas provocam confusão. A importância da comunicação é essencial junto com a base da biomecânica sobre o que está sendo executado.

Na minha experiência, quanto mais perto as suas instruções são das atividades que os alunos fazem diariamente ou podem executar facilmente é  mais provável é que eles vão entender as técnicas e os benefícios da aula.Um exemplo seria uma sugestão para a expansão do tórax para aprofundar a respiração. Se claramente comunicada esta técnica funciona para a maioria dos alunos (mesmo se você não explicar a ciência por trás disso). Compreender a anatomia e biomecânica, permite responder às perguntas dos alunos sobre como o corpo funciona com a terminologia direta e credível. Conhecer a ciência por trás de suas instruções aumenta a auto-confiança, bem como a confiança dos alunos em você como um professor.

O Yoga trabalha com o corpo e a ciência ocidental tem muita sabedoria sobre como o corpo funciona. Pense em uma fechadura de combinação em que uma seqüência de números é usado para abrir a fechadura. As posturas e técnicas de respiração trabalham juntos no mesmo caminho. Combiná-los adequadamente e a fechadura irá abri., o que desencadeia uma cascata de mudanças bioquímicas e fisiológicas benéficas  incluindo uma sensação geral de bem-estar.

Para citar a tradução de Nicolai Bachman do Sutra II.36: “Quando fundada em verdade, pode-se ter certeza dos resultados da ação.”

Agora vamos para a dica de como usar  os flexores do punho no Cachorro Olhando para baixo…

Às vezes você ouve uma instrução para “levantar os cotovelos” ou “levantar os punhos” na postura do cão. Normalmente levantando o cotovelo implica levantar o braço inteiro na sua frente – flexionando também os ombros para frente. Isso é feito principalmente através da ação do terceiro anterior (frente) dos deltoides. Ative estes músculos com as mãos fixas no tapete  para baixa os cotovelos. Para levantar os punhos e cotovelos na postura do cachorro,  contraia os flexores do punho. Isso estabiliza os pulsos e ao mesmo tempo reforça estes músculos flexores.

Aqui vai uma dica para elevação e estabilização dos pulsos. . .

Depois de ter equilibrado pronação e supinação dos antebraços  ativando os flexores do punho  pressionando suavemente a junção na base dos dedos em sua tapete. Em seguida, pressione as superfícies dos dedos no chão. Na verdade, não levante as mãos fora do tapete durante esta técnica. Você vai sentir seus pulsos levantarem ligeiramente.

Pressione suavemente a base dos dedos no tapete.

Em seguida  estabilize os antebraços, pulsos e mãos  , coloque os calcanhares no chão e estabilize os pés. Se você está praticando Vinyasa Flow  tente ativar os flexores do punho um pouco antes de saltar. Sinta como essa ação o impulsiona  para a frente, criando facilidade para o seu salto .

Aqui está a anatomia. . .

Vários músculos contribuem para flexão do punho. Estes incluem o flexores radial e ulnar do carpo, o palmar longo, o flexor superficial,  profundo dos dedos e o flexor longo do polegar. A anatomia é um pouco complexa e não é necessário memorizar todos os detalhes para beneficiar, lembre-se que esses músculos todos atravessam o pulso .

E para os viciados em anatomia. . .

O flexores radial e ulnar do carpo e o palmar longo originam do epicôndilo medial do lado de dentro do cotovelo e atravessar o pulso. Os flexor radial do carpo insere na segunda e terceira bases do metacarpo. Os flexor ulnar do carpo insere sobre o pisiforme e ossos hamato e base do quinto metacarpo. As inserções palmar longa para o retináculo flexor e aponeurose palmar.

O flexor superficial dos dedos tem três cabeças: a cabeça do úmero se origina do epicôndilo medial, a cabeça ulnar origina do processo coronoide e a cabeça radial origina distal à tuberosidade radial. Este músculo ramifica-se para inserir nos lados dos dedos na falange média. O flexor profundo dos dedos origina das proximais de dois terços da superfície flexor da ulna e membrana interóssea. Insere-se sobre a superfície palmar da falange distal.

 

 RECEBA O BOA YOGA POR E-MAIL

 

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>