Se o Yoga foi apresentado a você ainda quando criança ou mesmo na adolescência, você é um abastado, um felizardo! Parabéns! Que sorte! Certamente hoje é um adulto mais feliz que a maioria, com músculos soltos que permitem às articulações se expressarem em toda sua potencialidade. Já tem um bom domínio sobre os sentidos e consegue enxergar a vida de uma forma mais ampla, com infinitas possibilidades de sucesso. Você tem mais condições de vivenciar o Yoga que, conforme Patanjali (Yoga Sutra 1.2) é o aquietamento dos turbilhões da mente.

Mas, se você precisou passar por algumas situações mais delicadas antes de conhecer esta arte maravilhosa, certamente foi diagnosticado com alguma ITE (tendinite, bursite) ou alguma OSE (artrose, escoliose etc), seus músculos doem, o corpo se queixa com facilidade e, além de tudo isso, deve sofrer de algum tipo de pensamento acelerado com agitação, ansiedade, busca material excessiva etc. Você tem dificuldade de se concentrar em tudo que faz e certamente busca primeiro se livrar da dor ou do desconforto para depois desfrutar desta paz que o Yoga promete.

Conforme Patanjali (Yoga-sutra 1.30), a doença é um perturbador da mente, um obstáculo ao caminho do Yoga, que precisa então ser removido ou amenizado. A doença, no entanto, é uma ferramenta valiosa para o treino de observação sem envolvimento. Observe como um telespectador!

Então te digo: Seja bem vindo! Yoga é para todos! Yoga também é para você!

A Yogaterapia é uma ciência que visa utilizar-se do Yoga para fins terapêuticos. Entendemos aqui “terapêutico” não como cura e sim como uma forma de aliviar os sintomas. Dessa forma, não deve ser praticada apenas até a remissão dos mesmos, e sim seguido como uma opção de vida! Neste mundo ansioso, triste e deprimido, o yoga parece ser a peça que faltava para trazer sentido à nossa vida, para retornarmos ao equilíbrio.

Após os trinta e poucos anos, chegando aos quarenta, quem nunca fez atividade física frequente com acompanhamento de um profissional, deve sentir alguns desses desconfortos físicos que mencionei acima. É neste contexto que o Yoga como Terapia se insere. Conhecer-se é um privilégio que poucos se apropriam e a prática de Yoga facilita e muito este processo. O autoconhecimento é a primeira chave na busca de restaurar a saúde, pois traz consciência corporal, uma ferramenta importante na auto-observação de qualquer problema orgânico.

Yoga e yogaterapia são, no entanto, duas faces da mesma moeda. Embora Yoga, para Patanjali, signifique aquietar os turbilhões da mente, mesmo sem desconfortos, quem nunca teve benefícios terapêuticos físicos, como músculos mais alongados e um relaxamento muscular gostoso, após uma prática de yoga, depois de ter passado um dia todo sentado com as pernas cruzadas em frente ao computador?

E aqueles com dor, quem nunca sentiu uma suave sensação de serenidade, felicidade e calma após uma prática, mesmo a dor sendo como uma companheira irritante te avisando e te lembrando o tempo inteiro que ela está aí?

Mas, tendo em vista que, na maior parte das vezes, lidamos com pessoas que procuram yoga já com alguma disfunção estabelecida, a yogaterapia, com abordagem de um profissional da saúde, tem o cuidado de encaixar asanas, pranayamas, bandhas, kriyas e até mesmo o início do próprio processo de concentração que não piorem seu nível de saúde, muitas vezes melhora*, e que respeitem sua história de vida, incluindo aqui lesões e limitações adquiridas ao longo dos anos. Pratiquemos ahimsa!

Sirsasana pode ser muito bom para dor de cabeça, mas para qual tipo de dor de cabeça? Para qual público? Quem pode fazer este asana? Que idade? Quais são os pré-requisitos para se alcançar esta postura final? Hipertenso, por exemplo, pode apresentar crises de dor de cabeça (na nuca) quando a pressão arterial estiver mais alta do que o seu costume, então sirsasana é contraindicado neste caso.

Uddiyana Bandha é maravilhoso, “suga as gordurinhas”, mas para quem? Para quem esta abordagem é maravilhosa? Ah, a postura da pinça! Que delícia! Traz um alongamento interessante na cadeia posterior como um todo, aliviando as dores nas costas. Mas qual dor? Proveniente de onde? De lesão no músculo, nas facetas articulares, nos ligamentos, no disco intervertebral? Pessoas com problemas sérios na coluna, como a hérnia de disco com dor (sintomática), não deveriam, de forma alguma, fazer esta postura para aliviarem suas queixas, pois aumenta ainda mais a saída do material nuclear, o que exacerba o processo inflamatório local, com consequente compressão de raízes nervosas e aumento da dor.

A yogaterapia traz esta linha de pensamento. Não se atribui determinada postura para determinado problema, pois estamos lidando com um público atual, com inúmeras queixas, em sua grande maioria! A minoria é um praticante de yoga avançado, muito bem trabalhado física e psiquicamente.

Yogaterapia traz responsabilidade para a prática segura do Yoga!

Comece já a praticar Yoga! Prevenir é sempre melhor que remediar!

* A não ser que você seja médico, fisioterapeuta, profissional da saúde ou habilitado e utilize o Yoga em associação com seus conhecimentos, a yogaterapia isoladamente não tem o objetivo de curar doenças já preestabelecidas.

Comments