“Toda aula é uma terapia. É uma meditação. Um jeito de eu me conectar com o Universo. Qualidade de vida no verdadeiro sentido. Mente. Corpo. Alma.” Alexandre Tahira é DJ em São Paulo e praticante assíduo de Yoga há anos.

Ao longo da prática, alguns presentes para a vida vão sendo experienciados: em nível físico, os benefícios já podem ser experienciados logo nas primeiras aulas. As dores diminuem e a imunidade e o sono também sentem grandes benefícios. A flexibilidade das articulações, dos músculos e dos tendões aumenta, as funções excretórias melhoram, as funções glandulares e gastro intestinais normalizam. William Faccini , terapeuta tântrico, relata que o Yoga foi um divisor de águas em sua vida, pois alem de mantê-lo bem energeticamente ainda lhe deu melhor estrutura para trabalhar com o corpo sem o desgaste do dia a dia. O empresário e aluno Dorival Faria também afirma que suas dores estão se curando: “Tenho melhorado muito meus problemas de posturas, que já me renderam dores lombares. Recomendo a todos.”

Além disso, se você já encontrou alguém depois da sua prática de Yoga, pode comprovar que ela estava mais feliz. Qual o “mistério”? Stephen Cope, diretor do Institute for Extraordinary Living em Massachusetts comanda um programa intitulado “O Yoga e o Cérebro”, cujas pesquisas estudam o efeito do yoga no cérebro com ressonância magnética e outras técnicas. Cope explica que o yoga traz mudanças significativas no sistema nervoso simpático do corpo – aquele responsável por estimular ações, como de “luta ou fuga”, em resposta às situações de estresse. O Yoga ajuda o corpo a diminuir essa resposta ao estresse, reduzindo os níveis do hormônio cortisol, que não é somente o combustível para as nossas reações ao estresse, mas que também pode causar estragos no corpo quando está em estresse crônico.

O Yoga também aumenta os níveis de substâncias que nos fazem sentir bem, como o GABA (Ácido gama-aminobutírico), a serotonina e a dopamina, que são responsáveis por nos sentirmos relaxados e satisfeitos. Todos esses três neurotransmissores são os principais utilizados em medicamentos que controlam o humor, como antidepressivos e ansiolíticos.

“Acredito nesta prática maravilhosa que é o yoga, para mim, transformou a maneira com que eu lido com a situações, me proporcionou coragem para enfrentar meus desafios e também se mostrou uma prática muito útil para o controle da ansiedade.” diz o aluno Gustavo Pierobom.

Ainda há outro bônus, diz Sarah Dolgonos, doutora em medicina, que dá aulas na Yoga Society of New York’s Ananda Ashram. Ela aponta que além de suprimir a resposta ao estresse, o yoga estimula o sistema nervoso parassimpático, que nos acalma e restaura o equilíbrio depois que uma situação de estresse chegou ao fim. Quando este sistema nervoso é ativado, “o sangue é direcionado em direção a glândulas endócrinas, órgãos digestivos e circulação linfática, enquanto a frequência cardíaca e a pressão arterial são reduzidas”.

É possível alcançar também a expressão real de nosso potencial humano latente e a melhoria do relacionamento humano. Isso a empresária Marina Gurgel reconheceu na prática: “por ter uma empresa e lidar com pessoas o tempo todo preciso estar sempre bem (fisicamente e mentalmente) e a yoga caiu como uma luva! O Yoga me traz calma, tranquilidade, serenidade, força, paz, reduz meu ritmo de estresse e ansiedade, equilibra minha mente e possibilita que me conheça mais e mais, tanto fisicamente como mentalmente… sou outra pessoa depois que comecei a praticar… você aprende também a pensar mais nas pessoas, a olhar mais em sua volta e também a estar disponível para ajudá-las.”

O yoga alivia ou elimina gradativamente as causas que apóiam as manifestações de males que possuam fundo mental ou emocional; estima-se que 80% dos problemas de saúde se encontram nesta categoria, conhecidos pelo nome de problemas psico- somáticos. “Durante a prática é possível esquecer dos problemas do mundo externo, uma concentração na atividade faz com que seja alcançado um nível de tranquilidade que eu jamais havia conseguido, hoje me ajuda em momentos de crises emocionais mesmo fora das aulas. O esforço para permanecer em certas posições faz com que eu atinja também uma satisfação física. A sensação de gratidão, tranquilidade e relaxamento muscular e da mente alcançados ao fim das práticas me motivam a continuar por vários outros anos”, diz Daniel Nogueira, engenheiro elétrico. Psiquicamente, a prática regular transforma as pessoas em suas percepções, reações e comportamento. Além de aguçar nossos sentidos, por ser uma prática mais silenciosa e resgatar nosso ritmo de viver natural (e não artificial, imposto por condições externas), o que trabalhamos em nível físico reflete psiquicamente de uma maneira considerável. Ao longo da prática, podemos perceber que a flexibilidade requisitada para as posturas vai penetrando em nossas mentes e refletindo em nossas ações, que a introspecção e o olhar para si mesmo em algumas posturas sentadas traz uma maior auto consciência, que o “olhar por outro ângulo” das posturas invertidas minimizam o efeito de nossa rigidez e julgamentos, que a força e firmeza exigida nas posturas em pé se refletem em determinação e autoconfiança…

“O Yoga visto de longe parecia ser tão bonito e ao mesmo tempo tão distante, via imagens dos asanas (postura) e pensava ‘uau que lindo, mas não é para mim’.  Até que um dia eu resolvi ignorar esta vozinha interna e fui para a minha primeira prática e uma outra perspectiva apareceu. Descobri que a yoga era para mim SIM e aliás é para todo mundo que estiver receptivo, não importando idade, sexo, altura, peso ou qualquer outra barreira que a nossa mente possa criar. E desde então, toda vez que saio da prática entro no carro sorrindo e cantarolando um mantra que nem eu sei ao certo o que significa, meu corpo está mais relaxado e eu estou um pouco mais desperta. Ao longo da semana eu passo a observar mais os meus pensamentos e as minhas posturas em relação a eles e o mesmo ocorre quando eu tento me equilibrar ou me permanecer um pouco mais nos asanas. Nem sempre consigo manter este equilíbrio entre mente e corpo, tanto na minha vida pessoal como nas minhas práticas de Yoga. Mas tudo bem, já aceitei que é aos poucos que as transformações ocorrem. Eu já diminuí os meus julgamentos e aumentei a minha confiança, dá pra sentir o equilíbrio se manifestando na frase? Definitivamente a YOGA é um PRESENTE que eu me dou toda semana! E com certeza todo mundo merece se dar este presente, pelo menos uma vez!”  Bruna Quirino, engenheira ambiental e aluna de Yoga.

“Sem intenção não tem Yoga. Se torna só um exercicio fisico”, realça Tahira. Yoga é presença. Sem presença talvez nós conseguíssemos pedalar uma hora na bicicleta ergométrica. Mas não praticar Yoga, que depende da concentração e da entrega. Com isso, vai-se treinando a presença e a intensidade real para todos os momentos da vida; as posturas de certa forma vão nos trazendo sinais e ampliando nossa percepção…

O Yoga trabalha nossa resiliência e aceitação. “Yoga é uma peça fundamental para o auto conhecimento; logo a auto aceitação faz parte de tudo isso.  A cada aula o indivíduo entra mais em contato com o seu silêncio interior, com o seu Ser. “O Yoga tem sido uma infinidade de descobertas…. Descobri que perfeição no yoga é ser quem você é, com o máximo de presença, sem julgamentos ou comparações. A prática é única, cada corpo é único em suas habilidades, limitações, anseios e desejos. Com isso, percebo q tenho melhorado a forma como eu me relaciono comigo, com os outros e com o mundo. ” diz a fisioterapeuta Lívia Maria Siqueira.

Por fim, a parte espiritual é trabalhada de forma intensa. O maior número de realizações espirituais na humanidade sempre esteve do lado dos praticantes de yoga. Há uma riqueza de dimensões inimagináveis nas práticas de meditação e nas escrituras yoguis, bem como nas técnicas mais avançadas. Entretanto, um preparo anterior com as partes da yoga que trabalham o corpo e a mente é necessário para um desenvolvimento seguro e equilibrado nesta área.

Comments