Geralmente, quando pensamos em Yoga, nos vem a cabeça um indiano semi nu de cabeça para baixo. Isso é muito comum na imaginação de iniciantes ou de pessoas que nunca praticaram Yoga.
Mas talvez você já seja um praticante de Yoga sem saber que pratica. Os dois primeiros preceitos yoguis, da linha de Patanjali, são a prática de Yama e Niyama.
Yama é um termo que significa: conduta externa, ou princípios de harmonia com os outros. E Niyama é um termo que significa: conduta interna, ou, princípio de harmonia consigo mesmo.

O termo Yama encerra 5 condutas que estabelecem uma relação harmoniosa entre você e o mundo.
São:
  1. AHIMSA – significa não ferir nenhum ser nem causar sofrimento, através de pensamento, palavra ou ação.
  2. SATYA – consiste em usar a mente e as palavras com propósitos benevolentes.
  3. ASTEYA – significa abster-se do desejo de tomar ou manter objetos alheios; asteya significa não roubar.
  4. BRAHMACARYA – consiste em manter a mente absorta na Natureza benevolente e criadora, a todo instante.
  5. APARIGRAHA – é abster-se de coisas supérfluas e desnecessárias à manutenção do corpo.
O termo Niyama encerra 5 condutas que estabelecem uma relação harmoniosa entre você consigo mesmo.
São:
  1. SHAOCA – limpeza do corpo e da mente. Os métodos para a purificação mental são: benevolência para com todos os setes, caridade, dedicação ao bem-estar dos outros e ser obsequiso.
  2. SANTOSA – significa manifestar contentamento com tudo o que for recebido, mesmo com aquilo que não é desejado. É importante manifestar alegria constante.
  3. TAPAH – consiste em suportar as provações físicas para alcançar a meta. As formas de fazer tapah são: upavasa (jejum), serviço ao Guru (Preceptor), serviço aos pais e yajina. Há quatro modalidades de yajina: pitr yajina (serviço aos ancestrais), nr yajina (serviço à humanidade), bhuta yajina (serviço aos seres inferiores) e adhatma yajina (serviço à Consciência Suprema). Para os estudantes, o estudo é a principal forma de tapah.
  4. SVADHYAYA – significa estudar e compreender, apropriadamente as escrituras e os livros filosóficos.
  5. IISHVARA PRANIDHANA – é ter firme fé em Iishvara (Controlador Cósmico), seja no prazer seja na dor, na prosperidade e na adversidade, e se ver, em quaisquer atividades da vida, como um instrumento e não como controlador do instrumento.

Asanas (posturas físicas), são apenas um membro desse corpo que é o Yoga, sendo assim, não é o que define alguém como um Yogue, uma pessoa pode ter muita flexibilidade muscular, saber fazer muitos asanas, e mesmo assim, nunca praticar Yoga, pois os dois primeiros preceitos, Yama e Niyama são de fundamental importância para que nossa vida seja una com o todo. Desta forma, quem pratica esses preceitos, mesmo sem nunca ter ficado de cabeça para baixo sobre o próprio crânio, pode se dizer um praticante de Yoga.
Os asanas e pranayamas são muito importantes para a vida do Yogue, assim como os demais preceitos posteriores, mas a base da prática são esses preceitos, pois são eles que nos fazem criar um mundo melhor.

E ai? Você prática Yoga, ou pratica asana?
Lindo dia e linda reflexão a todos!

Namaskar.
Dani da Terra.

 

RECEBA O BOA YOGA POR E-MAIL