Há uma intima ligação entre o homem espiritual e natureza. A natureza está em sintonia espontânea com a Consciência Suprema. É que na natureza opera diretamente a grande Inteligência Cósmica, ao passo que no consciente humano opera apenas a pequena inteligência ,limitada,material, animal . Provido de seu ego consciente, o homem precisa alcançar pelo seu esforço transcendente essa relação com o Todo.

Quando desencontrada e confusa em relação a sua aparente autonomia, a humanidade passou a negar sistematicamente a esfera espiritual e divina de sua essência e hostilizar o mundo natural submetendo-o aos propósitos do ego. O ego personal deseja possuir o supérfluo, em vez de se contentar com o necessário e suficiente porque não crê na unidade com a natureza. Alimenta-se do que é puramente material pois, não compreende sua essência espiritual. Destrói outras formas de vida indiscriminadamente buscando acumular pseudo-tesouros, sem, no entanto compreender a verdadeira riqueza e sabedoria que emana da Consciência Suprema por meio da face da mãe natureza.

A pessoa que uma vez desperta para a realidade espiritual poderá encontrar no mundo natural um reflexo direto da realidade transcendente. Não por acaso os antigos Yoguis buscaram isolar-se nas florestas. Longe da sociedade, a personalidade culturalmente constituída perde o sentido. Na floresta o individuo humano torna-se insignificante. Ele é mais uma célula,frágil e transitória como todas as outras formas de vida. A natureza não respeita o ego e a vaidade. A natureza não tem interesse, não tem intenção, mas como diria Humberto Rohden procura realizar com a máxima perfeição cada uma das suas obras, sem se interessar pelas consequências , sem esperar louvores nem recear censuras.

Toda a beleza existente na natureza surge e se extingue sem uma finalidade estética ou filosófica. São apenas testemunhos da beleza presente na Consciência Suprema. Não nascem pra serem contempladas. Apenas são. É esse estado de plenitude que devemos buscar. Da natureza em si devemos esperar apenas o testemunho de uma consciência pura. Agindo com retidão e tendo o amor e a compaixão como diretriz, todas as outras coisas nos serão acrescentadas.

Namastê,

Mariana Cordeiro

Fontes de inspiração:

O Sermão da Montanha comentado por Humberto Rohden

História do Yoga-Pedro Kupfer

RECEBA BOA YOGA POR E-MAIL

Comments