Alinhar os ossos acessa à sua força inerente para que  nas posturas do Yoga exijam  menos esforço muscular. Por exemplo, no nosso último artigo, demos uma dica sobre o uso dos dedões para corrigir a tendência da bacia de ir para trás nas flexão para a frente de algumas posturas como a do Guerreiro III. Esta correção faz com que os ossos do pé fiquem direitos e perpendiculares ao chão, o que suporta melhor o peso do corpo. O alinhamento dos ossos desta forma também tem o benefício de aumentar a congruência das articulações e espalha as forças de reação das articulações de forma mais uniforme sobre a cartilagem articular. Em contrapartida  envolver os músculos nesse alinhamento dos ossos demonstra ter um efeito protetor sobre a cartilagem articular.

 

Cão olhando para baixo

A Posição de Cão a mostrar a direção da força através dos cotovelos hiperestender vs cotovelos alinhados.

 

Hiperestender  os joelhos ou cotovelos em posturado Yoga pode ser desvantajoso porque desviam as forças que criam da forma do asana. Por exemplo, se os cotovelos estão hiperestendidos na postura do Cão a força das mãos a empurrará os cotovelos  para dentro. O Ideal é esta força ser direcionada através dos eixos longos dos antebraços, úmeros e os ombros em seguida através do tronco e da bacia. Alinhar os ossos dos braços ajuda a criar a forma adequada do cão olhando para baixo. Pressionar o corpo de volta a esta forma e sincerize o alongamento dos músculos na parte de trás das pernas.

Hiperestender  os cotovelos também tem outros efeitos indesejáveis, tais como um potencialmente excesso do alongamento da cápsula na parte da frente da articulação e concentrando as forças de reação na articulação de forma anormal. Eu vou falar nas várias causas de um articulações hiperestendida num futuro artigo, mas agora…

Sugestão…

Cão olhando para baixo

Tentar arrastar as mãos uma em direção à outra
para envolver os flexores do cotovelo.

Aqueça-se primeiro com alguma Namaskaras Surya (Saudações ao Sol). Em seguida entre na postura do Cão olhando para baixo relaxando os tríceps e com as mãos firmes  no colchão. Tente gentilmente arrastar as palmas uma em direção à outra. Isso envolve a flexão do cotovelo – os bíceps e músculos braquiais – e dobra os cotovelos para neutralizar a hiperextensão. Mantenha a flexão dos cotovelos e em seguida contraia gradualmente o tríceps para endireitar os cotovelos. O termo biomecânico para trabalhar desta maneira é “co-contração” ou “co-ativação”. Este conceito de envolver simultaneamente um grupo de músculos agonista/antagonista é discutido em detalhe dos livros Companheiros de Pratica.

Cão olhando para baixo

Co-contração da flexão e extensão do cotovelo.

 

 

Se você está ensinando um aluno a hiperestender os seus cotovelos, demonstre a técnica em primeiro lugar e, em seguida fale sobre ela. Você também pode colocar  o seu aluno para  experimentar com os joelhos no chão primeiro. Isto tira o peso das mãos, fazendo que seja  mais fácil de entender.

A chave para a integração dessas dicas no Yoga é experimentar uma ou duas vezes para alinhar os ossos na posição e então usá-las novamente na próxima vez que você praticar. Isto treina a propriocepção e memória muscular e dentro de algumas sessões, os praticantes podem envolver os músculos diretamente  sem tentar arrastar as mãos uma à outra. O dica continua a ser um recurso  no entanto, pode ser utilizada para refinar o movimento.

Aqui está a Anatomia…

O bíceps braquial tem uma cabeça longa e curta. A cabeça longa começa a partir do tubérculo supra glenoidal da escápula — uma pequena protuberância de osso na parte superior da articulação do ombro. A cabeça curta origina o processo coracoide da escápula —uma extensão parecida  com um bico como do osso da parte da frente do ombro. Ambas as cabeças combinam-se num único tendão que se insere na tuberosidade radial do osso rádio do antebraço. Os bíceps agem para flexionar o cotovelo , supina o antebraço e flexionar o ombro para a frente. Além disso atua como adutor e internamente gira do úmero. A cabeça longa dos bíceps também ajudam a estabilizar a cabeça do úmero na articulação do ombro.

 

O músculo braquial começa a partir da metade distal da parte da frente do úmero e encaixa-se na tuberosidade ulnar também conhecido como o coronoide (parecido com uma coroa) na frente do cotovelo. Funciona como fletor do cotovelo. 

O tríceps possui três cabeças. A cabeça longa começa na tuberosidade infraglenoide na parte inferior da articulação do ombro. A cabeça medial começa na parte de trás (posterior), parte do úmero, abaixo do sulco radial. A cabeça lateral começa na parte posterior do úmero  acima do sulco radial. Todas as três cabeças combinam-se num tendão comum que se insere no processo olecrânio do cúbito (na parte detrás do cotovelo). Os tríceps atuam para estender o cotovelo. A cabeça longa também aduta e move o braço para trás e pode ajudar a estabilizar a escápula.

Obrigado pela sua audiência e informamos que em agosto foi lançado o primeiro volume da coleção companheiro de pratica que foca na anatomia dos movimentos envolvidos no vinyasa flow e das posturas verticais. De uma olhada no livro fazendo download e adquira no site da Traço Editora

RECEBA O BOA YOGA POR E-MAIL

Comments