Existem momentos na vida em que parece que tudo dá errado. Todas as tentativas em diversas direções não resultam na forma como desejamos. Mas, quando o tempo passa e olhamos pra trás, vemos que o que parecia um erro, foi o mais adequado para nós. Novas oportunidades surgiram a partir do “erro”. Nós nos equivocamos em nosso julgamento sobre “dar errado” porque não tínhamos uma visão geral e ampla capaz de saber qual seria o resultado ideal para as nossas ações naquele momento. E nossa visão parcial somada ao desejo não realizado nos fizeram ter um julgamento negativo sobre os acontecimentos. E, qual é o caminho para ampliar essa visão?

O Universo possui suas leis para que a vida se preserve, incluindo a lei de ação e reação. Ou seja, você tem um resultado de acordo com cada ação. Claro que não é tão simples, quando fazemos uma ação uma série de fatores influenciam o resultado levando em consideração ações do passado, situações à nossa volta, o tempo e o espaço em que a ação ocorreu, entre outros. O resultado é uma combinação de fatores que podem não fazer sentido se olharmos as situações de maneira isolada. Então, se queremos ampliar essa nossa visão, é necessário entregar os resultados de nossas ações ao próprio Īśvara. Considerando Īśvara o Criador e Sustentador de todo o Universo, essa entrega tem como base a confiança de que suas leis são imutáveis e infalíveis, trazendo o resultado ideal para cada momento. Nesse contexto, realizamos nossas ações com base em nossos desejos. As ações nascem dos desejos e são eles que nos movem em qualquer empreendimento. Não há nada de errado com o desejo. Entretanto, aceitamos os resultados de nossas ações com a confiança de que existe uma Ordem para a manutenção do Universo.

No Yoga Sutra, escritura usada como referência para a nossa prática, Patanjali nos diz que “Esforço sobre si próprio, auto-estudo e entrega à Īśvara constituem o kriya yoga” (II, 1). A entrega dos resultados das ações é um passo importante. Mas, para que essa entrega não se torne uma fé cega, isenta de conhecimento, ela precisa vir acompanhada do estudo de sua verdadeira realidade, que se dá através do estudo da visão do Yoga e a investigação de si mesmo. Também é necessário um esforço contínuo com uma prática constante nesse estudo incluindo o esforço em possíveis mudanças que podem se tornar necessárias nesse processo. O esforço e o auto-estudo nos trarão o discernimento para que essa entrega seja resultado do entendimento de que existe uma Ordem que sustenta o Universo inteiro e traz o resultado justo e adequado para cada ação em um dado momento. E, a partir dessa mudança de visão, passamos a ter a sensação de conforto e acolhimento fruto da percepção de que nada acontece por acaso. E como conseqüência paramos, de tentar controlar o mundo à nossa volta, passando a perceber o vínculo presente em tudo no Universo.

Um comentário

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>